18 de janeiro de 2013

Tempo de Recomeço


Depois das Celebrações do fim do ano, depois de celebrar a partida e chegada, depois de celebrar a vida, depois de celebrarmos nossa história, nosso passado, é hora de celebrar o recomeço, já ainda não. É hora de permitir-se recomeçar.
O recomeço já estava germinando nas celebrações, nos sinos, nas cores, nas luzes e, essencialmente no nosso coração. O nascimento do Menino Jesus na manjedoura de Belém, antes é gestação no ventre de cada um de nós. Assim temos a certeza de que ele nasceu em nossa vida.
É através deste nascimento que nós nos permitimos recomeçar. O recomeço nas veredas do tempo e o tempo sempre trazendo surpresas que nem sempre nos agradam, mas nos modificam.
Neste curto tempo de recomeço já conheci, já vi, já ouvi de tudo. De gente que não teve a oportunidade de recomeçar, de gente que se recusou a recomeçar, e de gente que recomeçou.
O recomeço é doloroso, porque nos sugere abrir-se, deixar-se, vestir-se moldular-se. É melodia do tempo na sintonia da vida, ou seja, a harmonização do ontem e do amanha, vivendo no hoje.
Não sei exatamente o que nestes primeiros dias de vida, você precisa recomeçar, aliás nem mesmo sei se você precisa recomeçar. Eu sei e sempre quis recomeçar para não viver do ontem, das ilusões, do que não foi, dos erros, das frustrações e dos enganos, de não estacionar nas conquistas que é passado. Mas ter a coragem de aceitar os desafios futuros com a graça e discernimento de quem recomeçou porque Deus nasceu na sua vida.
Portanto de hoje você perceber que existem motivos para recomeçar, não perca tempo, porque o tempo é o único que está nesta jornada sem compromisso de ser, de existir e se eternizar.
O tempo é apenas um coadjuvante na aventura de viver e nós somos os protagonistas da nossa vida e Deus é a essência da nossa história.