14 de setembro de 2011

UMA NOITE SEM SONO

Já é tarde preciso dormir, mas de quando em quando parece que alguém nos rouba o sono. É como aqueles dias que fechamos os olhos e passa por nós cenas de nossa vida. Noites assim só penso numa pessoa. 
Engraçado estar aqui preso por paredes pequenas, limitadas, precisando descansar para poder bem recomeçar o novo dia, mas o novo dia já está anunciado. Embora ainda esteja escondido na noite.
Imagino enquanto estou tentando dormir, há muita gente já dormindo, sejam em palácios, hotéis, casas simples, pobres, pontes, calçadas e eu aqui no meu quarto confortável e quente. Enquanto descanso, há pessoas se cansando. Pessoas que trocam a labuta do dia pela noite. Curioso o movimento da vida, enquanto uns se doam, outros já se doaram, enquanto uns tentam retardar a noite para dormir mais, outros querem antecipar a noite para poderem descansar durante o dia. Enquanto uns lutam pra viver ou vivem lutando, outros lutam para morrer. Quantas pessoas! Imagino; neste segundo estão nascendo! Quantas estão morrendo! Quantas estão vagando sem rumo, sem direção pelas escuridões da vida. Quantas pessoas não conseguem sequer abrir os olhos e definir a noite do dia.
Curioso o movimento da vida, enquanto estou aqui suplicando pelo sono, há muitos suplicando para não dormir. Enquanto estou às portas do novo dia, a gente presa e escrava do dia de ontem. Pessoas que não perdoaram, não tiveram a coragem da renúncia, pessoas condenadas a se submeterem eternamente ao erro.
Curioso movimento da vida, enquanto algum vela por alguém adoecido num leito suplicando curas, derramando lágrimas, o adoecido dorme protegido pelas olheiras, lágrimas e sacrifícios de quem o vela. Confiando no dia já anunciado o milagre da recuperação, me lembro de meu irmão, quisera eu ter tido esperança do amanha anunciado velando por ele, pela sua recuperação. Tocar seus cabelos repartidos ao meio, tocar seu rosto e anunciar com minha presença a esperança. Velar e Confiar. Mas tive que me contentar como muitos agora que velam por alguém que se foi no minuto passado. Tentam retardar a noite na espera de um reavivamento, mas ali já não há mais o que fazer a não ser velar, afinal o que vemos ali, não nos vê mais, já transcendeu a outra realidade. Há também aqueles que estão passando a primeira noite sem seu marido, sem sua esposa, sem seu filho, sem sua filha. Curioso o início do movimento da vida para quem vai e que mistério é o movimento da morte pra quem fica.
Curioso o movimento do sono vem e vai, vai e vem. Como descobrimos que a vida é tão pequena diante de uma necessidade básica que sentimos. Como as noites de sono perdidas nos remetem a nossa fragilidade, questiona a nossa existência e nos impulsionam ao novo dia.
Certamente você já teve uma noite assim. Uma noite de sono roubado que a princípio nos fará tanta falta no dia de amanha. No entanto noites sem sono nos ajudam a rever nosso conceito, nossa ação no dia de amanhã.
Noites sem sono fazem parte do curioso movimento da vida. Não escolhemos e nem clamamos por elas, mas são elas que clamam de pedem por nós constantemente. Das noites sem sono tiro as melhores lições do movimento da vida que jamais cessará, das pessoas que estão partindo e daquelas que estão chegando.

renato gonçalves